Gastromotiva promove inclusão social no Amazonas

A ONG dedicada ao empreendedorismo e inclusão social, geração de renda e combate à fome e ao desperdício tem promovido ações das Cozinhas Solidárias no Amazonas, em parceria com coletivos e parceiros locais

“Empreendedorismo social e negócios de impacto se fazem também com parcerias, conexões, pontes”, afirma David Hertz, que está à frente da ONG Gastromotiva, que promove um trabalho de educação, geração de renda, combate à fome e ao desperdício.

David Hertz com cozinheiras voluntárias em Tabatinga

Hertz está no Amazonas desde o final do ano passado, fazendo a conexão e compartilhando experiências com ONGs, coletivos e associações para dar escala ao trabalho que já é desenvolvido em outras regiões do País.

“Ninguém melhor do que essas instituições para mapear os desejos e as necessidades de cada comunidade. Nós entramos para somar e trabalhar juntos por quem mais precisa”, afirma Hertz em uma postagem no Instagram, por onde vem divulgando sua passagem pelo Estado.

Hertz com voluntários e voluntárias em Manaus

No Amazonas, ele conta com apoio da equipe do Instituto Acariquara que, ao lado da Universidade Federal do Amazonas, é o parceiro operacional das Cozinhas Solidárias no Estado, e contribui com apoio técnico e logístico.

São 17 cozinhas distribuídas entre Manaus, Manacapuru, Tabatinga, Parintins, Careiro da Várzea e Presidente Figueiredo, que atuam por meio do trabalho de parceiros, voluntárias, voluntários, cozinheiras e cozinheiros.

“A Gastromotiva e o Instituto Acariquara são co-realizadores dessa jornada que começou em Manaus e agora chega a outras cidades do interior do Amazonas. O que era para ser emergencial será a oportunidade para virar legado. Porque a população não precisa só de um prato de comida, a grande maioria quer contribuir e gerar renda e dignidade”, afirma Hertz.

Equipes envolvidas

@i.acariquara é responsável pela compra dos insumos, material e processamento de dados;
– A @caritasmanaus dá suporte operacional, faz seleção dos beneficiários e acompanha as entregas;
– A igreja entra com voluntários para cozinhar e entregar as quentinhas;
– A @nusec.ufam faz a análise de dados e relatórios;
– A SEAS Manaus monta os cardápios;
– A @gastromotiva oferece o treinamento, a metodologia e capta recursos;
– O @institutococacolabrasil patrocina o projeto.

Parque das Tribos

Encerrando sua jornada pelo Amazonas, David Hertz visitou o Parque das Tribos, reconhecido publicamente como o primeiro bairro indígena urbano do mundo – mas ainda não ‘no papel’.

Ali ele conheceu Vanda Ortega, ativista indígena, professora, assistente de enfermagem, integrante do movimento de estudantes que luta pelo acesso dos indígenas às universidades e pré-candidata a deputada federal.

Ao lado de Ortega também estava Renatinha ‘Peixe-Boi’, integrante da comunidade Slow Food de Manaus e cozinheira solidária que carrega a ancestralidade da alimentação originária amazonense. “Renata tem empreendido uma luta significativa para retomar e preservar essas culturas alimentares e conhece bem os desafios logísticos de atuar em um território onde as ameaças aos povos originários é diária”, destaca Hertz. Em breve ela levará sua Cozinha Solidária já em funcionamento para dentro do Parque das Tribos.